18.12.07

OS NATAIS DE MIGUEL TORGA




Casa de Miguel Torga em S. Martinho de Anta (Vila Real). Aqui passava o Natal, na casa – entretanto restaurada – onde vivera a infância



O ano de 2007 foi o do centenário do nascimento do grande prosador e poeta Miguel Torga. (1907 - 1995) ao qual já dedicámos esta página em Janeiro de 2006.
Assinalamos o fecho das comemorações dessa efeméride com uma pequena antologia dos versos escritos pelo poeta, entre 1937 e 1990, sobre o tema do Natal.
São vinte e cinco, ao longo dos seus Diários. Pena temos de não caberem aqui todos.
Escolhendo-os, homenageamos o homem de letras e desejamos Boas Festas aos nossos leitores.



HISTÓRIA ANTIGA (1937)

Era uma vez, lá na Judeia, um rei.
Feio bicho, de resto:
Uma cara de burro sem cabresto
E duas grandes tranças.
A gente olhava, reparava e via
Que naquela figura não havia
Olhos de quem gosta de crianças.

E, na verdade, assim acontecia.
Porque um dia,
O malvado,
Só por ter o poder de quem é rei
Por não ter coração,
Sem mais nem menos,
Mandou matar quantos eram pequenos
Nas cidades e aldeias da Nação.

Mas,
Por acaso ou milagre aconteceu
Que, num burrinho pela areia fora,
Fugiu
Daquelas mãos de sangue um pequenito
Que o vivo sol da vida acarinhou;
E bastou
Esse palmo de sonho
Para encher o mundo de alegria;
Para crescer, ser Deus;
E meter no inferno o tal das tranças,
Só porque ele não gostava de crianças.



NATAL (1948)

Devia ser neve humana
A que caía no mundo
Nessa noite de amargura
Que se foi fazendo doce…
Um frio que nos pedia
Calor irmão, nem que fosse
De bichos de estrebaria.



NATAL (1953)

Um Deus à nossa medida…
A fé sempre apetecida
De ver nascer um menino
Divino e habitual.
A transcendência à lareira
A receber da fogueira
Calor sobrenatural.


RETÁBULO (1954)

Estranho Menino Deus é o dum poeta!
O que nasce e renasce há muitos anos
Na minha noite de Natal, fingida,
Mal corresponde à imagem conhecida
Das sucursais do berço de Belém.
É uma criança tímida que vem
Visitar os meus sonhos, e, ao de leve,
Com mãos discretas, tece
Um poema de neve
Onde depois se deita e adormece.


NATAL (1962)

Um anjo imaginado,
Um anjo dialéctico, actual,
Ergueu a mão e disse: - É noite de Natal,
Paz à imaginação!
E todo o ritual
Que antecede o milagre habitual
Perdeu a exaltação.

Em vez de excelsos hinos de confiança
No mistério divino,
E de mirra, e de incenso e oiro
Derramados
No presépio vazio,
Duas perguntas brancas, regeladas
Como a neve que cai,
E breves como o vento
Que entra por uma fresta, quezilento,
Redemoinha e sai:

À volta da lareira
Quantas almas se aquecem
Fraternamente?
Quantas desejam que o Menino venha
Ouvir humanamente
O lancinante crepitar da lenha?


LOA (1969)

È nesta mesma lareira,
E aquecido ao mesmo lume,
Que confesso a minha inveja
De mortal
Sem remissão
Por esse dom natural,
Ou divina condição,
De renascer cada ano,
Nu, inocente e humano
Como a fé te imaginou,
Menino Jesus igual
Ao do Natal
Que passou.


.
NATAL (1974)

Soa a palavra nos sinos,
E que tropel nos sentidos,
Que vendaval de emoções!
Natal de quantos meninos
Em nudez foram paridos
Num presépio de ilusões.

Natal da fraternidade
Solenemente jurada
Num contraponto em surdina.
A imagem da humanidade
Terrenamente nevada
Dum halo de luz divina.

Natal do que prometeu,
Só bonito na lembrança.
Natal que aos poucos morreu
No coração da criança,
Porque a vida aconteceu
Sem nenhuma semelhança.


NATAL (1982)

Solstício de inverno.
Aqui estou novamente a festejá-lo
À fogueira dos meus antepassados
Das cavernas.
Neva-me na lembrança,
E sonho a primavera
Florida nos sentidos.
Consciente da fera
Que nesses tempos idos
Também era,
Imagino um segundo nascimento
Sobrenatural
Da minha humanidade.
Na humildade
Dum presépio ideal,
Emblematizo essa virtualidade.
E chamo-lhe Natal.


NATAL (1987)

Nasce mais uma vez,
Menino Deus!
Não faltes, que me faltas
Neste inverno gelado.
Nasce nu e sagrado
No meu poema,
Se não tens um presépio
Mais agasalhado.

Nasce e fica comigo
Secretamente,
Até que eu, infiel, te denuncie
Aos Herodes do mundo.
Até que eu, incapaz
De me calar,
Devasse os versos e destrua a paz
Que agora sinto, só de te sonhar.


NATAL (1988)

Menino Jesus feliz
Que não cresceste
Nestes oitenta anos!
Que não tiveste
Os desenganos
Que eu tive
De ser homem,
E continuas criança
Nos meus versos
De saudade
Do presépio
Em que também nasci,
E onde me vejo sempre igual a ti


ÚLTIMO NATAL (1990)

Menino Jesus, que nasces
Quando eu morro,
E trazes a paz
Que não levo,
O poema que te devo
Desde que te aninhei
No entendimento,
E nunca te paguei
A contento
Da devoção,
Mal entoado,
Aqui te fica mais uma vez
Aos pés,
Como um tição
Apagado,
Sem calor que os aqueça.
Com ele me desobrigo e desengano:
És divino, e eu sou humano,
Não há poesia em mim que te mereça.



10 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Mais uma página Linda!!!

Torga é sempre, em qualquer tempo, o poeta da expressão do sentir...

Méon disse...

Obrigado pela visita, Amiga!
Espero que a página seja lida com agrado, pois é de poesia que se trata, esse lugar único da linguagem...

Maria Faia disse...

Querida Amiga, tenho andado arredada do convívio com os amigos da blogosfera, por razões estritamente pessoais e profissionais. O Mês de Dezembro é sempre terrível para mim e, este ano, não é axcepção.
No entanto, penso que em Janeiro, tudo possa voltar à normalidade.
Por ora deixo-te um beijo amigo e a promessa de voltar.

Maria Faia

Rosario Andrade disse...

Torga! Um dos meus favoritos, talvez termos em comum a terra misturada com o sangue nas veias. (mas eu não tenho deuses...)

Boas Festas!

Maria Faia disse...

Querida Amiga Méon,

Natal...
Deixei semi-expresso no Querubim o meu sentir...
A ti amiga, venho desejar-te Festas Felizes e um Ano Novo repleto de Felicidades.

Beijinhos,
Maria Faia

Frederico Navarro disse...

Muito interessante a visão dele ao longos dos anos. Gosto especialmente dos dois últimos poemas! Feliz Natal meu caro!

Maria Faia disse...

Querida Amiga Méon,

O Natal já passou e, espero que o teu tenha sido vivido com muito Amor e Alegria.
Agora temos o Ano Novo à porta e, por isso, venho desejar que, para ti, o Ano de 2008 seja o início de uma nova estrada repleta de felicidade, paz, saúde, amor e alegrias.

Beijo amigo,
Maria Faia

Maria Faia disse...

Querida Amiga,

Este é também um lugar onde me sinto muito bem. Respira-se beleza e tranquilidade.

Um beijo amigo,
Maria Faia

CresceNet disse...

Gostei muito desse post e seu blog é muito interessante, vou passar por aqui sempre =) Depois dá uma passada lá no meu site, que é sobre o CresceNet, espero que goste. O endereço dele é http://www.provedorcrescenet.com . Um abraço.

lucky disse...

This is a nice blog. I like it!