31.5.07

ETERNIDADE DO VENTO

Pintura de Sarah Anderson

Há poemas que trazem em si todas as paisagens do mundo e todos os abismos da alma humana.
Ruy Belo escreveu-os até morrer. Como este, de pormenorizado título, que se alonga por dez páginas:

«AO REGRESSAR EPISODICAMENTE A ESPANHA EM AGOSTO DE 1534 GARCILASO DE LA VEGA TEM CONHECIMENTO DA MORTE DE DONA ISABEL FREIRE»


(...)

procuro o teu mstério nos teus olhos

o teu rosto é tão vasto como um mundo

e quanto mais te olho mais pressinto

que é em vão que te procuro o fundo;

(...)

A minha eternidade é a do vento

que pelo movimento arrisca quanto é

e todo se resume no momento

(...)

30.5.07

A vós, que amais o amor...


Há muitos anos ouvi ler a história de Amadis. Agora ela chega-me de novo, pela mão de uma jovem que a está a ler para as aulas, na versão de Afonso Lopes Vieira, Romance de Amadis.
« Senhores, ouvide o Romance de Amadis, o Namorado. Escreveu-o um velho trovador português, mas depois um castelhano, trocando-lhe a língua e o jeito, da nossa terra o levou. Porém as mais nobres mentes de Espanha já por nosso o dão.
Em Portugal tem a segunda pátria o espírito heróico e amoroso da Távola Redonda.
E o conto é o do amor mais fino e fiel, de português amor, rendido como ele é só.
Ao começar o Romance, invoco a memória do cavaleiro-poeta que o compôs, para que me alumie. Invoco a alma do Portugal que aprendeu com Amadis a ser gentil e forte e a prezar a flor da Honra.
E vós que amais com amor heróico e fiel, que amais o amor, ouvide a história como eu a senti.»

29.5.07

Boa Vista - a Iha Fantástica

Dunas da ilha da Boa Vista / Cabo Verde: Morro de Areia. O deserto à beira-mar, num cenário de cortar a respiração, onde o epíteto de Ilha das Dunas ganha sentido. Do promontório avista-se um autêntico mar de areia, de vagas moldadas pelo vento, com o azul profundo
do Atlântico a acenar um convite difícil de resistir.




Praia de Chaves (Boa Vista, Cabo Verde)

A Ilha da Boa Vista

De Germano Almeida , escritor cabo-verdeano, é de ler: A Ilha Fantástica, retrato do lugar onde nasceu; Estórias contadas, compilação de crónicas escritas para O Público; e Viagem pela História das Ilhas, uma rota pelo arquipélago através daqueles que escreveram sobre ele. Todos editados pela Caminho.
(...)
De súbito, vem-me à memória uma cena do dia anterior. Uma jovem cabo-verdiana na praia, linda, de longos cabelos negros aos caracóis, a quem o namorado moldou uma cauda de sereia, numa cuidadosa escultura de areia. Quando cedi ao pedido para lhes tirar uma foto, vi que ela tinha tatuado todo o arquipélago na omoplata. A conversa posterior revelou que, tal como a maioria dos cabo-verdianos, também eles eram emigrantes. De que ela própria era a metáfora perfeita: dividida entre o conforto de uma vida melhor e o calor da terra natal, com o país gravado na pele. Ou no coração, tanto faz.

( Textos in : ROTAS & DESTINOS)

28.5.07

«Pôr em ordem»

Olhei-o nos olhos e desatei a rir. Ele não pode estar a falar a sério! - pensei. Transcorrido um certo tempo, nada se pode «pôr em ordem» entre duas pessoas; compreendi essa verdade sem esperança naquele instante, quando nos sentámos, ali, no banco de pedra. O homem vive, e corrige, ajusta, edifica, e destrói, algumas vezes, a sua vida; mas, passado tempo, dá-se conta de que o todo, tal como está, por força dos erros e do acaso, é imodificável. (...) Quando alguém emerge do passado para anunciar, em voz comovida, que quer pôr «tudo» em ordem, só podemos lamentar e sorrir das suas intenções; o tempo já «pôs tudo em ordem», à sua estranha maneira, da única maneira possível. ( Sándor Márai, A Herança de Eszter)

Entrada ou...saída?


Varatojo, Torres Vedras - Porta de entrada do átrio da Igreja


Há portas que não abrem nem fecham. São fronteiras de lugares diferentes.
Estão lá para serem vistas dos dois lados, a lembrar que nada é definitivo.

27.5.07

Não é despedida

«Céu visto de um navio. Campo visto dos montes:
a lembrança é de luz, de fumo, de lago em calma!

Para lá dos teus olhos ardiam os crepúsculos.

Folhas secas de outono giravam na tua alma.»

(Pablo Neruda, Vinte poemas...)





Na obscuridade

abre-se uma porta,

dela

caem em escamas as manchas do disfarce

repassadas de verdade.

(Paul Celan)

26.5.07

ESTRANGEIRICES TORRIENSES





É preciso dizer frontalmente: só os parolos falam "estrangeiro" na sua própria terra. Gente de bom gosto respeita a língua-mãe !
Estamos em Torres Vedras e não em Old Towers City !...

25.5.07

23.5.07



A austera beleza de uma casa oitocentista, algures entre Dois Portos e S. Domingos de Carmões - concelho de Torres Vedras.

22.5.07

As primeira leituras

Axel Munthe


Capri

Sim, "O LIVRO DE SAN MICHEL", nº 1 da célebre colecção "Dois Mundos" da editora "Livros do Brasil".
Inesquecível. Pela descoberta de outros mundos: geográficos e mágicos (Capri!); o sofrimento humano nas páginas terríveis sobre a peste em Nápoles...
Às vezes é bom voltar a essas viagens antigas...

20.5.07

VENEZA E O SONHO



De que serve Veneza sem sonho? Eu sei, Veneza é umas tuas "cidades invisíveis". Talvez esses sejam os lugares mais reais da nossa vida, como sugere Calvino, sonhos reais porque intensamente imaginados até serem mais vida do que todas as "realidades" vividas.

" Mesmo em Raissa, cidade triste, corre um fio invisível que liga um ser vivo a outro por um instante e a seguir se desfaz, e depois torna a estender-se entre pontos em movimento desenhando novas rápidas figuras de modo que a cada segundo a cidade infeliz contém uma cidade feliz que nem sequer sabe que existe."

Veneza, dizem os amantes impossíveis, é a cidade mais triste do mundo...

18.5.07

A HERANÇA DE ESZTER

Enquanto acabo a leitura de "AS VELAS ARDEM ATÉ AO FIM" - que prolongo...prolongo... para fazer render o enorme prazer da leitura - alguém me avisa: há outro livro excelente deste escritor húngaro: "A Herança de Eszter". E no outro dia trouxe-mo.
Na contra-capa: «Como " As Velas Ardem áté ao Fim", este romance é uma verdadeira obra-prima que está à altura das obras de autores como Thomas Mann ou Stefan ZweigSándor Márai pertence à melhor estirpe de escritores centro-europeus.

A Herança de Eszter é um dos acontecimentos literários do ano.»

TRADIÇÕES ? !



Ontem - 17 de Maio - foi o "Dia da Espiga. "



Procurei o significado:
No calendário cristão, comemora-se a Ascensão de Jesus Cristo e, tradicionalmente, colhe-se a espiga de trigo para simbolizar a bênção dos primeiros frutos.Nalgumas regiões, as plantas colhidas não se resumem ao trigo, compondo-se ramos que incluem o malmequer, a papoila ou o ramo de oliveira e que devem ser guardados ao longo de um ano.A simbologia de cada planta é a seguinte: Espiga – pão, Malmequer – ouro e prata, Papoila – amor e vida, Oliveira – azeite e paz, Videira – vinho e alegria e Alecrim – saúde e força.




Eu sei que a tradição já não é o que era. Em lado nenhum. Mas o que me entristece é ver o desaparecimento de tradições nossas, genuínas e a sua substituição por macaquices de outras culturas que nada têm a ver connosco: o "Dias das Bruxas" e o "Dia de S. Valentim", por exemplo, introduzidos à pressão nas nossas escolas - enquanto a tradição da festa da natureza que era o Dia da Espiga, caíu por completo.

Isto não é nacionalismo parolo, acho eu. É que sinto o mesmo desconforto quando vejo - outro exemplo, bem longe daqui - jovens chineses a tocar rock e a vestirem da mesma forma que os jovens de Londres ou de New York.




16.5.07

LUGAR ONDE - BADALADAS Semanário Regional de Torres Vedras




FLORBELA ESPANCA



A CORAGEM DE DIZER, CANTANDO, A TODA A GENTE

Mais do que os aspectos nevróticos da sua personalidade, importa realçar a extraordinária artífice de poesia que foi Florbela Espanca.

A poesia precisa de emoção e sentimento mas isso não chega. Muitos autores pensam que os seus poemas têm valor só porque os fizeram com lágrimas nos olhos, a sentirem muito o que escreviam. Mas não basta isso: é necessária, de igual modo, uma realização linguística significativa, uma construção artística e rigorosa de palavras. Caso contrário não se passa de banalidade vazia.
Florbela Espanca soube aliar à sensibilidade – por vezes exacerbada - uma enorme capacidade para exprimir verbalmente quem era e o que sentia. Usou como forma artística o soneto decassilábico ( poema de 14 versos de dez sílabas, em duas quadras e dois tercetos) em que foi exímia, muitas vezes ao nível dos nossos maiores nessa arte - Camões, Bocage e Antero de Quental. A sua originalidade está no facto de, usando essa forma clássica, abordar temas extremamente ousados para a sua época, como são o erotismo e a mulher activa na relação amorosa. Não fazendo parte de nenhuma escola ou grupo literários, conjugou as suas vivências pessoais com o tom mais inovador da expressão poética do seu tempo, de que Mário de Sá-Carneiro e Fernando Pessoa foram exemplos maiores. Florbela Espanca foi dos primeiros escritores a libertarem-se do convencionalismo moralista, assumindo o Desejo e o Corpo como realidades a não esconder, o que lhe acarretou incompreensões de toda a ordem. De igual modo antecipou o sentir da Humanidade moderna, insatisfeita e revoltada, procurando desesperadamente um sentido para a vida e as formas mais intensas de o exprimir. Foi esta coragem de viver em antecipação ao seu tempo que garantiu a Florbela Espanca a projecção que ainda hoje tem.

VIDA E OBRA

Florbela Espanca ( 1894 – 1930 ). Natural de Vila Viçosa, Alentejo. Estudos liceais em Évora e universitários em Lisboa. Dois casamentos e dois divórcios, motivos de escândalo na época. Terceiro casamento, com um médico. Devastada pela morte de seu único irmão, em 1927, e enredada nas contradições entre a afectividade real e a ânsia de Absoluto, suicida-se a 8 de Dezembro, no dia do seu 36º aniversário, na casa onde vivia, em Matosinhos. Desde 17 de Maio de 1964 – data da trasladação - os seus restos mortais repousam à entrada do cemitério da sua terra natal.
Obra principal: “SONETOS”, em que se reúne a poesia publicada antes e depois da sua morte: «Livro de Mágoas»(1919); «Livro de Soror Saudade»(1923); «Charneca em Flor»(1930); e «Reliquiae», versos póstumos publicados pela primeira vez na 2ª edição de Charneca em Flor, em1931. Também postumamente foram publicados textos seus em prosa: «Cartas de Florbela Espanca», «Contos» e «Diário». Os «Contos» (colectâneas “O Dominó Preto”, “As Máscaras do Destino” e “Contos Esparsos”) e o «Diário» tiveram uma 1ª edição de bolso nas Publicações Dom Quixote, em 2000.




EXCERTOS DO “DIÁRIO” (escrito no ano da sua morte)

23 de Janeiro: «Para que quer esta criatura a inteligência, se não há meio de ser feliz?», dizia, dantes, meu pai, indignado. Ó ingénuo pai de 60 anos, quando é que tu viste servir a inteligência para tornar feliz alguém? Quando, ó ingénuo pai de 60 anos?... Só se pode ser feliz simplificando, simplificando sempre, arrancando, diminuindo, esmagando, reduzindo; e a inteligência cria em volta de nós um mar imenso de ondas, de espumas, de destroços, no meio do qual somos depois o náufrago que se revolta, que se debate em vão, que não quer desaparecer sem estreitar de encontro ao peito qualquer coisa que anda longe: raio de sol em reflexo de estrelas. E todos os astros moram lá no alto, ó ingénuo pai de 60 anos!

23 de Fevereiro: A vida tem a incoerência dum sonho. E quem sabe se realmente estaremos a dormir e a sonhar e acabaremos por despertar um dia? Será a esse despertar que os católicos chamam Deus?

28 de Fevereiro: Estou tão magrita! A lâmina vai corroendo a bainha, a pouco e pouco, mas implacavelmente, com segurança. Devo ter por alma um diamante ou uma labareda e sinto nela a beleza inquietante e misteriosas das obras incompletas ou mutiladas.

2 Dezembro: (última anotação) E não haver gestos novos nem palavras novas!


SONETOS DE FLORBELA


QUEM SABE?...

Queria tanto saber porque sou Eu!
Quem me enjeitou neste caminho escuro?
Queria tanto saber porque seguro
Nas minhas mãos o bem que não é meu!

Quem me dirá se, lá no alto, o Céu
Também é para o mau, para o perjuro?
Para onde vai a alma, que morreu?
Queria encontrar Deus! Tanto o procuro!

A estrada de Damasco, o meu caminho,
O meu bordão de estrelas de ceguinho,
Água da fonte de que estou sedenta!

Quem sabe se este anseio de Eternidade,
A tropeçar na sombra, é a Verdade,
É já a mão de Deus que me acalenta?


SER POETA


Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!



AMBICIOSA

Para aqueles fantasmas que passaram,
Vagabundos a quem jurei amar,
Nunca os meus braços lânguidos traçaram
O voo dum gesto para os alcançar...

Se as minhas mãos em garra se cravaram
Sobre um amor em sangue a palpitar...
- Quantas panteras bárbaras mataram
Só pelo raro gosto de matar !

Minha alma é como a pedra funerária
Erguida na montanha solitária
Interrogando a vibração dos céus !

O amor dum homem? – Terra tão pisada,
Gota de chuva ao vento baloiçada...
Um homem? Quando eu sonho o amor de um Deus!...




TRAÇOS DE IDENTIDADE I I















Ainda está a tempo – até 26 de Março - de ver a belíssima exposição de fotografia na Galeria Municipal Paços do Concelho, realização conjunta do Espeleo-Clube de Torres Vedras e da Associação para a Defesa do Património de Torres Vedras, com o apoio da Câmara Municipal. As 115 fotos mostram monumentos, lugares, casas, materiais, atmosferas... que, no seu conjunto, ajudam a definir os traços de identidade do nosso concelho.





AS VELAS ARDEM ATÉ AO FIM



O livro que eu gostaria de ter escrito ! ! !
Não é um livro grande - tem 153 páginas - mas é um GRANDE LIVRO.
Um dia destes tentarei dizer porquê.

14.5.07



Árvores do Alentejo


Horas mortas... Curvada aos pés do Monte

A planície é um brasido e, torturadas,

As árvores sangrentas, revoltadas,

Gritam a Deus a benção duma fonte!


E quando, manhã alta, o sol posponte

A oiro a giesta, a arder, pelas estradas,

Esfíngicas, recortam desgrenhadas

Os trágicos perfis no horizonte!


Árvores! Corações, almas que choram,

Almas iguais à minha, almas que imploram

Em vão remédio para tanta mágoa!


Árvores! Não choreis! Olhai e vede:

Também ando a gritar, morta de sede,

Pedindo a Deus a minha gota de água!


Florbela Espanca

13.5.07


Escultura no Parque dos Poetas em Oeiras


Florbela Espanca, a próxima convidada do LUGAR ONDE.
Ponto de partida: mais do que as nevroses e os problemas sentimentais, interessa-nos em F.E. a sua extraordinária capacidade como artífice de versos.

11.5.07


Não posso amar
sem imaginar
o meu desejo
de haver destino
na Tempestade...
A realidade
não é o que vejo
mas o que imagino
para ser verdade.
(José Gomes Ferreira)

9.5.07


«On naît parmi les hommes
On meurt inconsolé parmi les dieux. »
René Char (França, 1907-1988)

8.5.07

CANTARES DE AMIGO

CANTARES DE AMIGO


Este é um lugar onde alguém partilha sonhos muito bonitos, envolvendo-os de imagens sugestivas e de palavras poéticas.
Vir aqui é como ir passear ao jardim.
E muitas vezes apetece conversar com o jardineiro...

"...outrora Senhor do Mar"


Que costa é que as ondas contam
E se não pode encontrar
Por mais naus que haja no mar?
O que é que as ondas encontram
E nunca se vê surgindo?
Este som de o mar praiar
Onde é que está existindo?
(...)
(Mensagem, F. Pessoa)

7.5.07

Engenheiros...



Confesso que não pude resistir. Sim, eu sei: a tal história já satura. Mas deu-me vontade de rir quando hoje peguei casualmente neste livro.

Em muitos aspectos Fernando Pessoa foi um precursor. Sendo os heterónimos uma manifestação de pluripersonalidade, são igualmente um sinal premonitório do mal-estar contemporâneo, o "mal de vivre" do homem ocidental apartado da Natureza e alienado por solicitações impossíveis de atingir.

Fernando Pessoa teve uma vida sócio-profissional vulgaríssima e rotineira. Mas foi grande, foi ENORME na sua vida mental. Criou um universo único, que exprimiu através de uma obra literária espantosa.

A famosa arca dos seus inéditos continua a dar novidades aos muitos investigadores que nela mergulham as mãos e a curiosidade. Este livro até nem é recente, teve a sua primeira edição em 1990, revista na 2ª edição de 1992. Introdução, Organização, transcrição e Notas de Teresa Rita Lopes, reconhecida especialista da obra de Pessoa.

Como acontece a muito boa gente, Fernando Pessoa contava viver muitos mais anos. Tinha projectos a longo prazo para a obra literária, que ele via como o grande desígnio do seu destino. Mas era, como todos os sonhadores, um ser extremamente indisciplinado e desorganizado. A arca dos inéditos é a prova disso. Ele ia escrevendo, escrevendo, escrevendo, de acordo com a disposição do momento. E um dia mais tarde contava organizar aquilo tudo. A morte apanhou-o desprevenido. É certo que não se levava muito a sério e talvez fosse issso, a par do tédio e do desamparo afectivo, a principal causa da desorganização da papelada que deixou em herança.

De qualquer modo sabemos que ele tinha projectos. Teresa R. Lopes prova-o com esta recolha.

Transcrevo o primeiro parágrafo:
"Vida e Obras do engenheiro Álvaro de Campos"- sob este título projectava Pessoa reunir as obras e os apontamentos biográficos que, conjuntamente, constituiriam a ficção por excelência da sua produção heteronímica. É significativo que previsse no mesmo apontamento a publicação conjunta das obras de Alberto Caeiro, Ricardo Reis e António Mora, reunidas estas por um outro título e uma outra ficção: "Na Casa de Saude de Cascaes" (sic).

De vez em quando apetece-me saber notícias da arca de Pessoa...


Arca e estante de Fernando Pessoa

6.5.07

Não posso calar










Não me tem apetecido fazer comentários políticos mas hoje não posso calar.
É confrangedora a forma como o PSD apoia o Sr. João Jardim. Personaliza a lei que alterou o escandaloso financiamento da Madeira, atribuindo-a ao Primeiro-Ministro José Sócrates, esquecendo que se trata de uma lei da República, aprovada no Parlamento.

Escamoteia a forma provocatória como o tal senhor trata os assuntos políticos e o modo persistente como insulta todos os portugueses que não moram na Madeira ou não pensam como ele.

O maior partido da oposição atasca-se na indignidade do modo de fazer política do sr. Jardim e isso é um péssimo serviço à democracia que todos prezamos.

Quanto ao argumento de que a vitória eleitoral legitima o tal senhor, estamos conversados. Este foi um belo exemplo de como a democracia não se esgota no acto de votar. Reduzi-la a isso é torná-la uma caricatura. Pilatos também fez uma consulta democrática mas, entre Cristo e Barrabás, a multidão manipulada e interesseira escolhe sempre Barrabás...

Parece que só o PSD não enxerga que a esmagadora maioria dos portugueses do Continente fica indignada com a forma como o sr. Jardim espatifa dinheiro. Ninguém contesta a validade de obras de infra-estruturas básicas, mas ninguém de bom senso aceita os gastos de promoção que esse senhor faz, seja nos jornais, seja no futebol, seja no fogo-de-artifício...




TOMAR a sério...







Apetece sempre brincar com as palavras...

Desta vez resovi tomar a sério um espaço monumental único em Portugal: O Convento de Cristo. Há uma semana atrás, exactamente a esta hora, estava às portas deste magnífico monumento, com um grupo que foi acompanhado em toda a visita pelo Dr. Jorge Custódio, Director daquele espaço.


O mais impressionante, para mim, nem é tanto a famosa "janela manuelina" ou a "charola". É o autêntico livro de História da Arte que todo o conjunto é. Durante séculos foi-se construindo, acrescentando, demolindo, adaptando... de tal modo que a primeira impressão é de que tudo aquilo é caótico. Mas, aberto o livro, é só começar pela primeira página e ir folheando... Só claustros tem dez! ( e já foram 12!...)




Interroguei Jorge Custódio sobre o que pensa das especulações que se fazem àcerca dos Templários, pensando eu sobretudo na imensidão de escritos que proliferam por aí, sem qualquer rigor científico, atribuindo actualidade àquela Ordem, que estaria envolvida em história secretas de poder, magia, conspiração mundial, conhecimentos iniciáticos, etc.


A resposta dele foi pragmática: « Não tenho nada contra... No fundo, é bom que se fale dos Templários. A partir das especulações infundadas pode haver - e há! - quem chegue ao conhecimento histórico fundamentado... Talvez não seja por acaso que este é dos monumentos mais visitados, nem fechamos à Segunda-Feira...»



Visita apaixonante, a continuar sempre que possível. E a completar com a riquíssima História dos Templários.

5.5.07

Imagens do Oeste

Passeando no concelho de Torres Vedras - no oeste estremenho - , paramos o nosso olhar em lugares bonitos e tentamos registá-los como memória futura.
Aspecto parcial da aldeia de Matacães, vista do Santuário do Senhor do Calvário: Igreja de Nossa Senhora da Oliveira e Quinta do Juncal.

Fachada da Quinta da Ribeira, na Aldeia de Maria Afonso - freguesia de Dois Portos


Aldeia de Maria Afonso, vista da estrada que liga Dois Portos a S.Domingos de Carmões


No meio dos vinhedos, entre Dois Portos e Carvoeira, sobressai este velho aqueduto que levava a água à Quinta da Conceição - antiga propriedade setecentista dos Marqueses do Lavradio.

3.5.07








Na contra-capa: "Este livro foi impresso em offset nas oficinas das casas Lito-Nacional, Lito-Maia e Bertrand (Irmãos), Ldª, em 1944".
Numa época de parcos meios de comunicação, o colorido deste livro era um poderoso instrumento de propaganda dos valores do "Estado Novo."
Era o famoso "livro único" pelo qual aprenderam a ler milhares de portugueses. Vale a pena folheá-lo para percebermos um pouco o que foi a mentalidade dominante em Portugal em meados do século XX.
Não é saudosismo. É memória histórica, base de qualquer cultura viva.

2.5.07



(...)

Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.

As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém…

P´ra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe…
(Sebastião da Gama)

1.5.07

Alguém no passado



Nos olhos da pessoas
e nas coisas
que ficaram imóveis nas fotografias
vive agora a súbita indiferença
pelo presente em que já não estão.

Ah! os olhos das pessoas mais amadas,
cerrados para sempre!