28.4.13

LUGAR ONDE no BADALADAS - 19 ABRIL 2013



>>>0<<<


UMA AVENTURA NO ORIENTE



                                                                                A LORCHA* MACAU



(*lorcha: embarcação com casco ocidental e velame oriental)

Vive em Torres Vedras um antigo comandante da Marinha de Guerra Portuguesa que prestou serviço em Macau há uns vinte e tal anos. Em conversa casual contou-nos episódios muito interessantes da sua estada naquele território. Chega a ser comovente o relato das missões de diplomacia cultural que levou a cabo através da "lorcha Macau". Esta pequena embarcação – pouco maior que uma traineira - navegou durante três anos nos mares do Oriente, levando a presença de Portugal a vários portos do Japão, Malaca e Índia (Goa, Damão, Bombaim...).O mais curioso é que essas viagens eram requeridas e acolhidas com entusiasmo pelas autoridades e populações locais que viam neste barco português uma evocação histórica dum passado que não renegam e que gostam de transmitir aos mais jovens. O Comandante Rui Sá Leal – é dele que falamos - lamenta a indiferença das autoridades portuguesas que pouco fazem para responder às solicitações dos povos orientais que não esquecem a presença dos portugueses. Claro que houve D. Francisco de Almeida e Afonso de Albuquerque - com acções devastadoras para imporem a presença portuguesa - e isso também não esquecem. Mas no deve/haver da História guardam pelos portugueses um sentimento especial. «Se lhes perguntarmos "porquê", respondem que os que vieram depois dos portugueses eram muito piores. Os holandeses... os ingleses...» - comenta o nosso Comandante, já aposentado, que nos mostra fotos e outras recordações de um tempo luminoso.




PORTUGUESES, OS PRIMEIROS OCIDENTAIS NO JAPÃO

                                                            
                          

                                             

Foi em 1543 que os portugueses chegaram ao Japão, faz agora 470 anos. Não ligamos muito a isso mas os japoneses não esquecem. Todos os anos fazem uma festa em Tanegashima, uma cidade do sul que se enche de milhares de visitantes. Chamam-lhe o Festival da Espingarda. Aí se recorda o primeiro contacto dos japonese com uma arma de fogo, facto que Fernão Mendes Pinto relata no  célebre livro «Peregrinação» (1614). 


oo00oo


PRIMEIROS TIROS NO JAPÃO


Fernão Mendes Pinto, na Peregrinação, conta como o seu companheiro, Diogo Zeimoto, fez uma demonstração de tiro que espantou o chefe japonês (nautaquim):
«O Zeimoto, vendo-os tão pasmados e o nautaquim tão con­tente, fez perante eles três tiros em que matou um milhano e duas rolas; e, por não gastar palavras no encarecimento deste negócio e por escusar de contar tudo o que se passou nele, porque é cousa para se não crer, não direi mais, senão que o nautaquim levou o Zeimoto nas ancas de um quartau em que ia, acompanhado de muita gente e quatro porteiros com bastões forrados nas mãos, os quais, bradando ao povo, que neste tempo era sem conto, deziam:
   O nautaquim, príncipe desta ilha Tanixumá, e senhor de nossas cabeças, manda e quer que todos vós outros, e assi os mais que habitam a terra dantre ambos mares, honrem e venerem este chenchigogim (nome dado aos portugueses) do cabo do mundo, porque, de hoje para diante, o faz seu parente, sô pena de perder a cabeça o que isto não fizer de boa vontade.» (Peregrinação, cap. CXXXIV)



. . . . . . . . . . . . 


A «PEREGRINAÇÃO»

DE FERNÃO MENDES PINTO
                               
«Além dos roteiros e itinerários, cujo valor é sobretudo documen­tal, oferece-nos o século XVI uma narrativa de viagens, de feição muito diferente: a Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, obra em que o autor nos dá conta da sua vida de extraordinárias aventuras pelos mares e terras do fabuloso Oriente.
Nascido em Montemor-o-Velho, cerca do ano 1510, Fernão Mendes Pinto veio muito cedo para Lisboa, servindo vários amos, até que, em 1537, consegue, após várias tentativas malogradas, embar­car para a índia. Percorre os mares e terras do Oriente, onde é pro­tagonista das mais fantásticas peripécias durante vinte e um anos, no decurso dos quais foi treze vezes cativo e dezassete vendido como escravo. O seu temperamento aventureiro adapta-se a todas as situa­ções: é comerciante, mas transforma-se, quando necessário, em pirata; é soldado e marinheiro, mas também embaixador; de repente, vemo-lo entrar como noviço para a Companhia de Jesus impressionado com a vida de S. Francisco Xavier, a quem entrega uma grande soma para as suas missões no Japão, mas não chega a receber os votos definitivos e de novo se lança na aventura, ganhando e perdendo sucessivamente grandes fortunas. Com dois companheiros, Diogo Zei-moto e Simão Borralho, é dos primeiros Portugueses que chegam ao Japão, e aí ocorre o famoso episódio das espingardas, que adiante se transcreve.
Finalmente, em 1558, cansado da vida aventurosa e violenta, regressa pobre a Portugal, e fixa-se em Almada, onde casou e veio a morrer em 1583. Aí escreve o seu empolgante e humaníssimo livro, obra ímpar na nossa literatura, só editado trinta e um anos após a sua morte, facto que talvez explique certas negligências formais na sua contextura, aliás servida por um estilo rico de colorido e pitoresco.»
(Selecta Literária, Didáctica Editora, Lisboa, 1969)





Sem comentários: