6.4.12

FERNANDO JORGE FABIÃO



Encontrámo-nos há dias numa tertúlia no centro histórico de Torres Vedras.
Fernando J F faz-me recordar um velho amigo que nunca me deixava vir de casa dele sem me oferecer laranjas ou ameixas, ou melão... conforme a época.


Obrigado por mais esta dádiva, caro amigo! Os teus poemas têm o sabor dos frutos.


....................................................................................................

 A LINGUAGEM É UMA PELE


Aprendemos a vocação das aves
porque nem sempre voar é assunto de ave

as coisas mudam de cada vez que olhamos
para elas

basta alguém querer regressar à inocência
a essa parte intocável do texto
para que outro olor         outro alvoroço
ilumine o olhar.

Escrevemos na parede interior dos pulsos
a linguagem é uma pele.

                   *  *  *

FOI COM AS MÃOS QUE VI


É na pele que o pensamento
inscreve a íntima caligrafia
e rejubila ante o inaudito de um nome
é nela que se refletem os espelhos
e o mar acede às minas do corpo
todo o meu cantar fala do deflagar do branco
no mapa da pele
foi com as mãos que vi
foi com elas que desatei a sombra
e resguardei a casa.

1 comentário:

Avelaneira Florida disse...

Sempre a cheirar a Poesia acabada de colher...


Beijinho.