31.10.06

Cores da vida





Uma amiga muito especial está em Timor e sofre. Por ela e por aquele país que, de facto, parece inviável.

Muitos quilómetros nos separam. Mas a solidariedade e o afecto anulam distâncias.
Partilhamos os sonhos e as dores.



Sonhos com as cores do Outono...






Dores como alguns cinzentos da vida.
Eia, Amiga! Não deixes que os limos destruam a madeira do teu barco!

2 comentários:

avelaneiraflorida disse...

" Em meus pensamentos escuros
Em que em mim não há ninguém,
E tudo é névoas e muros
Quanto a vida dá ou tem.

Se, um instante, erguendo a fronte
De onde em mim sou soterrado,
Vejo o longínquo horizonte
Cheio de sol posto ou nado.

Revivo,existo,conheço;
E, inda que seja ilusão
O exterior em que me esqueço,
Nada mais quero nem peço:
Entrego-lhe o coração"
F. Pessoa

Pra TIMOR!!!!!

J. Moedas Duarte disse...

Obrigado, Avelã. Haverias de gostar de conhecer a amiga de quem falo. É professora. Em nome de um sonho, trocou a certeza de um trabalho tranquilo por uma realidade com traços de pesadelo.
E está a enfrentá-la com enorme coragem.